Bombas de fragmentação

bombas de fragmentação

Quais são as consequências das bombas de fragmentação?

Um terço dos afectados por bombas de fragmentação são crianças. Os explosivos impedem as populações de usar terrenos, de ter acesso a hospitais e escolas e podem permanecer uma ameaça durante décadas, sendo mais letais do que as minas. As bombas de fragmentação foram utilizadas em muitos conflitos no mundo inteiro, depois da Segunda Guerra Mundial.

Quais os países que proíbem o uso de bombas de fragmentação?

Uma convenção da Organização das Nações Unidas (ONU) proíbe o uso dessas armas, mas nem todos os países assinaram – entre eles o Brasil, os Estados Unidos e a Rússia. Na segunda-feira (28), a Anistia Internacional denunciou o uso de bombas de fragmentação durante a guerra na Ucrânia.

Por que a anistia denuncia o uso de bombas de fragmentação durante a guerra na Ucrânia?

Na segunda-feira (28), a Anistia Internacional denunciou o uso de bombas de fragmentação durante a guerra na Ucrânia. O porta-voz do governo russo, Dmitry Peskov, disse que as afirmações são falsas. As autoridades ucranianas não se pronunciaram sobre a denúncia.

Quais países produzem bombas de fragmentação?

Em 2014, a Human Rights Watch acusou o governo da Ucrânia de usar bombas de fragmentação em Donetsk, área em disputa com a Rússia - o que o governo da Ucrânia nega. O Brasil é um dos cerca de 16 países que produzem bombas de fragmentação, diz o Landmine & Cluster Munition Monitor.

Por que as bombas de fragmentação fazem parte da estratégia de guerra americana?

Um alto oficial do governo dos EUA, Stephen Mull, disse em 2008 que as bombas de fragmentação fazem parte da estratégia de guerra americana. Alguns dos países que usaram esse tipo de armamento durante o século 20 posteriormente assinaram o tratado de proibição - entres eles a França e o Reino Unido.

Qual a primeira vez que as bombas de fragmentação são usadas na Ucrânia?

A invasão da Rússia também não é a primeira vez que elas são usadas na Ucrânia. Em 2014, a Human Rights Watch acusou o governo da Ucrânia de usar bombas de fragmentação em Donetsk, área em disputa com a Rússia - o que o governo da Ucrânia nega.

O que aconteceu com as bombas de fragmentação na Ucrânia?

A Anistia Internacional e a Human Rights Watch, organizações não-governamentais que atuam na defesa dos direitos humanos, denunciaram a Rússia nesta segunda-feira (28/2) pelo uso de bombas de fragmentação na Ucrânia, o que é considerado crime de guerra. Ao ser disparada, esse tipo de bomba libera projéteis menores, o que expande a área de dano.

Quem proibiu as bombas de fragmentação?

As bombas de fragmentação são proibidas desde 2010 por uma convenção internacional, que não teve assinatura da Rússia e nem da Ucrânia.

O que aconteceu com o exército russo durante a invasão do território ucraniano?

Ao ser disparada, a bomba de fragmentação libera projéteis menores, amplificando a área de dano, o que causa mais mortes e feridos. O ataque parece ter sido lançado pelo Exército russo, que operava nas proximidades e que costuma usar bombas de fragmentação em zonas habitadas, afirmou a secretária-geral da Anistia Internacional, Agnès Callamard.

Postagens relacionadas: