Amortecedores

amortecedores

Por que comprar amortecedores novos?

É muito recomendado que, em caso de dúvidas, sejam comprados amortecedores novos de marcas confiáveis, como a Nakata, para evitar problemas futuros. Os amortecedores são partes fundamentais do carro, e seu funcionamento deve ser entendido para que o condutor tenha noção das necessidades de manutenção que seu veículo possui.

Quais são as partes do amortecedor?

Os traseiros geralmente são separados, mas há exceções, como no Volkswagen Gol ou no Jeep Renegade, por exemplo. Composto por cerca de 50 partes, o amortecedor basicamente é constituído de tubo de reservatório, tubo de pressão, haste, pistão, válvula de pistão e válvula de base.

Por que os amortecedores de cada par são trocados?

Se apenas um dos amortecedores de cada par (dianteiro ou traseiro) é trocado, a outra peça pode ter menor eficiência devido ao maior tempo de uso. Esse desequilíbrio é capaz de prejudicar a dirigibilidade do carro.

Qual foi o primeiro amortecedor?

Para resolver este problema foi criado o amortecedor. O primeiro tipo produzido por August F. Meyer, a partir de 1926 ,o fundador da atual Monroe. Os primeiros modelos foram os amortecedores de fricção que controlavam o movimento das molas com a ação mecânica de um cinto.

Quais são os tipos de amortecedores?

Entre os tipos mais comuns, podemos citar os amortecedores hidráulicos e a gás, também chamados de pressurizados. Para escolher o melhor para o seu veículo, o ideal é consultar o manual do proprietário e seguir as recomendações da montadora.

Qual é a importância dos amortecedores no carro?

Os amortecedores desempenham um papel vital no conforto de condução do veículo, ao mesmo tempo que garantem a sua estabilidade . Esses dispositivos são instalados no carro para que sejam responsáveis por absorver as irregularidades da estrada em que o veículo trafega. Se você quer saber tudo sobre amortecedores, continue lendo este texto

Quando trocar o amortecedor?

O amortecedor, assim como muitas outras peças do seu veículo, necessita de vistoria de troca regular após determinado tempo e quilometragem de uso. No caso dos amortecedores, eles perdem a capacidade da sua função, em geral, a cada dez mil quilômetros. Isso se ele for novo.

Quando devo fazer a revisão dos amortecedores?

De forma geral, a recomendação é que uma revisão nos amortecedores seja realizada em intervalos de 10 mil km. A substituição do componente costuma ser necessária após os 50 mil km rodados, mas essa avaliação também deve levar em conta a forma de utilização do veículo, já que um uso intenso pode abreviar essa estimativa.

A ação da pressão do gás mantém a roda em maior contato com o solo, aumentando aderência e estabilidade do veículo sem comprometer o conforto, o que resulta em mais eficiência nos pisos irregulares e curvas acentuadas. Quais são os componentes do amortecedor?

Como trocar os amortecedores de cada par?

Se apenas um dos amortecedores de cada par (dianteiro ou traseiro) é trocado, a outra peça pode ter menor eficiência devido ao maior tempo de uso. Esse desequilíbrio é capaz de prejudicar a dirigibilidade do carro. Sempre que possível, o ideal é substituir os quatro amortecedores em conjunto ou, ao menos, os pares em cada eixo.

Como funciona um amortecedor?

Externamente, um amortecedor é composto de dois tubos que encaixam um dentro do outro, bem como suportes e fixadores externos ligados às duas partes do veículo, sendo a base na suspensão e o topo na estrutura do carro. Se forem telescópicos, no caso dos dianteiros, estes se prendem nas molas.

Por que os amortecedores não devem ser recondicionados?

Por isso, segundo a Cofap, os amortecedores não devem ser recondicionados: o correto é providenciar a troca por similares novos. Essas autopeças têm diversos componentes internos, sujeitos a desgastes por atrito. Até mesmo o óleo tem composição desenvolvida especificamente para essa finalidade.

Como os amortecedores especiais podem revolucionar o comportamento dos carros?

A cada km rodado, em média um amortecedor sobe e desce pelo menos 2,6 mil vezes. Após 30.000 km percorridos, ele terá acumulado 78 milhões de movimentos. Isso é um número incrível e que já está sendo estudado como forma de se obter energia regenerativa, suficiente para contribuir para a redução no consumo de um carro com sistema elétrico de 48V.

Postagens relacionadas: